Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

As aventuras e desventuras de uma miúda que se alimenta de histórias cinematográficas.

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

PÁRA TUDO: saiu o primeiro trailer de Bohemian Rhapsody, biopic dos Queen

Foram anos de espera. Mudanças na equipa técnica que nos fizeram antecipar o fim. Escolhas para o elenco que não nos mostraram nenhuma confiança. Mas hoje, 15 de maio de 2018, a espera finalmente terminou: foi lançado o primeiro trailer de Bohemian Rhapsody, o biopic sobre a banda britânica Queen e o seu frontman, Freddy Mercury!

 

 

O filme vai levar-nos numa viagem de 15 anos, desde o começo da carreira dos Queen até ao seu concerto no Live Aid, em 1985. Apesar de ser visto como um biopic que conta a história da banda, é natural que grande parte do protagonismo vá para Mercury e para a sua irreverência – para muitos uma parte inegável do sucesso dos músicos.

 

Desde que foi divulgada a primeira imagem de Rami Malek no papel de Mercury que estou muito curiosa com este filme. A sua caracterização parece estar próxima da imagem que temos do artista, mas será que tem o carisma?

 

Pelo que conseguimos ver deste trailer, ainda sabemos pouco. Se o biopic se assemelhar à produção do trailer, será com certeza cheio de ritmo e com grandes espaços musicais. Mas este trailer ainda nos diz pouco sobre o que poderemos ver ao nível das personagens. Conseguimos perceber se estará dentro do progresso musical da banda e momentos pessoais, mas deixa-nos demasiado à imaginação.

 

Mesmo assim tem um ótimo feeling, e só isso é suficiente para nos deixar de água na boca. Tem um aspeto muito próprio, carregado de ritmos e batidas que acompanham a película – ou pelo menos é disso que agora estamos à espera.

 

Bohemian Rhapsody tem estreia agendada para novembro, mas não sem sofrer vários percalços até lá. É que quando digo que estivemos à espera muito tempo, é mesmo muito tempo – oito anos para ser exata. Foi em 2010 que se falou pela primeira vez de um biopic do género, e desde então a expectativa tem sido sempre a subir.

 

Sasha Baron Cohen foi o primeiro ator a estar associado ao projeto e à interpretação de Freddy. Em 2013, porém, acabou por sair do projeto porque acreditava que a história devia mostrar todas as partes da vida de Freddy – incluido aquelas que não seriam próprias para um filme de família. Brian May, guitarrista dos Queen e um dos responsáveis pelo filme, tinha uma opinião diferente e o ator acabou por sair.

 

Foram precisos vários anos para que a produção começasse de facto. Anthony McCarten (argumentista de A Teoria de Tudo e A Hora Mais Negra) ficou responsável pelo argumento, e Bryan Singer ainda participou na realização – tendo sido substituido por Dexter Fletcher pouco depois.

 

Muitas mudanças nem sempre sao bom sinal, mas cá estaremos para perceber o seu resultado.