Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

As aventuras e desventuras de uma miúda que se alimenta de histórias cinematográficas.

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

Vejam o trailer de mother! A sério, vejam

Lembram-se de Cisne Negro, aquele belíssimo filme de 2010 que pôs toda a gente a falar sobre o Lago dos Cisnes (porque a maior parte não percebeu efetivamente o filme)? Aquele que tinha a Natalie Portman a beijar a Mila Kunis? O realizador está de volta, num filme em que também assina o argumento. Chama-se mother!, e tem um trailer do caraças!

 

 

Posso dizer caraças na net? Espero que sim, porque é mesmo muito fixe, e a única palavra que posso pensar para substituir esta é uma asneira feia.

 

Por norma, tenho sempre uma sensação estranha quando vejo um trailer novo. Por um lado, pode dizer-nos mais sobre o enredo e desenrolar da ação do que aquilo que queremos saber antes de ver o filme (um pequeno spoiler). Por outro, pode estar tão mal construído que não me dá vontade nenhuma para ver o filme, mesmo que tudo o resto pareça fixe.

 

Para mim, um trailer tem de ser interessante o suficiente para nos deixar com água na boca. Tem de levantar um pouco o véu daquilo que vamos ver, contar-nos a base da história e  mostrar-nos o seu ambiente.

 

Alguns destes trailers acabam por ser um corte e costura das cenas do filme, e pode até estragar-nos um pouco da surpresa.

 

Mas não este mother! Este mother! consegue dizer-nos quase tudo, sem na verdade não nos mostrar muita coisa.

 

A sinopse diz que trata da história de um casal cuja vida dá um volta quando recebem em sua casa um outro casal, estranho e misterioso. Jennifer Lawrence, Javier Barden, Ed Harris e Michelle Pfeiffer fazem as honras de protagonistas, neste que promete ser um dos mais esperados thrillers psicológicos deste ano.

 

Que é como quem diz, vai questionar-nos tanto quanto Cisne Negro, e levar-nos numa viagem pelo amor, por nós e pelo outro. Vai ficar dentro da nossa cabeça, ou então, vai deixar-nos tão confundidos que vamos sair da sala sem saber o que dizer.

 

Eu fui daquelas que viu Cisne Negro e encontrou uma genialidade fora do comum. A busca pela perfeição parecia tão humana, tão real, que me fez questionar se não seria mesmo algo totalmente fácil de acontecer. Somos um animal tão frágil, tão sedento de mais do que aquilo que temos...

 

mother! tem tudo para ser uma nova viagem pelo nosso subconsciente. E estou desejosa que chegue setembro.   

2 comentários

Comentar post