Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

As aventuras e desventuras de uma miúda que se alimenta de histórias cinematográficas.

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

Trailer da semana – The Big Friendly Giant

(Não, este post não é sobre o novo filme do Star Wars. Get over it!)

 

Steven Spielberg é muitas vezes considerado um realizador entre o meh e o bom. Dizem que não faz anda de extraordinário, que a sua direção é muito básica e que os seus filmes roçam o chato porque são sempre moralistas e cheios de drama.

 

Ontem, enquanto revia O Resgate do Soldado Ryan (pela primeira vez cheguei ao final, depois de 3.000 tentativas desde 1998), cheguei novamente à mesma conclusão: digam o que disserem, o homem tem uma visão do caraças!

 

Aconteceu com Parque Jurássico, com Tubarão, com a Lista de Schindler (sobre o qual podem descobrir mais aqui), Terminal de Aeroporto (um dos meus personal favourites) e agora com este The Big Friendly Giant: ele pega nas histórias mais estranhas e dá-nos filmes que sabemos que nos vão acompanhar e tornar-se importantes, de uma forma ou de outra.

 

O Amigo Gigante (na versão portuguesa) promete isso mesmo: uma menina órfã encontra um gigante que, mesmo sendo deveras assustador, ensina-lhe lições sobre o amor e a amizade.

 

 

Para muitos, vai tornar-se na típica história de que não podemos dar importância às primeiras impressões; para outros, será um filme bonito para ver com as crianças que queremos educar na tolerância e amizade (sobretudo porque a história original é da autoria de Roald Dahl, mestre dos livros infanto-juvenis). Para mim, tem todo o potencial de vir a ser uma peça deliciosa do cinema.

 

Não minto: sou fã de Spielberg. E o facto  de o argumento deste filme ter sido escrito por Melissa Mathison, a mesma senhora que nos trouxe E.T. O Extraterrestre, faz-me ficar ainda mais curiosa!

 

Não preciso de filmes extraordinários e super filosóficos para ficar entusiasmada; preciso apenas de uma história argumentativa e visual, que me cative, e me faça querer ver mais - de preferência num ecrã gigante.

 

Este faz-me ficar assim. E ainda bem. No verão lá estarei.