Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

As aventuras e desventuras de uma miúda que se alimenta de histórias cinematográficas.

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

Os novos filmes deste ano – parte II

A segunda metade de um ano está sempre recheada de filmes que piscam o olho às entregas de prémios; ficam mais frescos na memória, e escapam a alguns lançamentos que foram feitos logo no início.

 

A juntar aos filmes que calharam estrear nesta altura, torna-se difícil construir uma lista curta e concisa, que nos leve numa viagem pelos filmes que temos mesmo de ver.

 

2017 não é exceção, e são ainda muitos os filmes com interesse que ainda estão para vir. Se se recordam da parte I, foi apenas uma amostra (e que conseguiu chegar às expectativas) do que nos chegou às salas.

 

Por isso, agora vamos dar espaço a mais filmes, mais histórias e mais experiências. Escolhi aqueles que quero mesmo ver, ou que achei interessantes e que acho que merecem uma chance.

 

E vão perguntar: cadê o Thor: Ragnarok, ou O Crime no Expresso do Oriente, ou até A Hora Mais Negra (com um Gary Oldman totalmente disfarçado de Wiston Churchill)? Eles chegarão, eles chegarão a seu tempo.

 

 

Dunkirk

 

 

Não podia deixar de falar do novo e mais recente filme de Christopher Nolan, um dos realizadores da atualidade que mais facilmente me deixa com o rabo colado ao sofá – um tema a que regressaremos em breve.

 

Exatamente por isso, Dunkirk é um dos lançamentos que aguardo com mais expectativa. Quero muito ver o que é que Nolan (que também escreveu o argumento) faz com a história verídica de Dunkirk, a cidade francesa em que as tropas aliadas ficam rodeadas de alemães, e sem lugar para se virar além do mar durante a Segunda Guerra Mundial.

 

É como juntar duas grandes coisas de que gosto: a Segunda Guerra Mundial e Christopher Nolan.

 

O filme conta com alguns habitues dos seus filmes, como Cillian Murphy e Tom Hardy, mas também temos Kenneth Branagh e, espante-se, Harry Styles (sim, aquele menino que era dos One Direction).

 

Por isso, dia 20 de julho lá estaremos nos cinemas.

 

 

Baby Driver

 

  

Ultimamente, muito se tem falado sobre Baby Driver, o novo filme de Edgar Wright e que tem Ansel Elgort como protagonista. Apesar de só estrear em Portugal a 3 de agosto, em alguns países já estreou e tem sido muito bem recebido pelo público.

 

Para mim, bastava ser de Wright para chamar a minha atenção – afinal de contas, o senhor é um dos responsáveis pelos filmes da trilogia Cornettom, a par de Simon Pegg. Mas a história também parece interessante. Ora vejamos: um jovem condutor habituado a ajudar criminosos a fugir de cenas de crime vê uma oportunidade de ter uma vida normal e limpa, mas não sem antes participar num assalto que tem tudo para não ser bem sucedido.

 

Parece que já vimos isto várias vezes, não é? Pois é, mas o visual, a construção das personagens e o facto de termos nomes como Kevin Spacey e Jamie Foxx no elenco, faz-me pensar que há muito mais por aí.

 

 

It

 

 

Aviso: este filme não é aconselhado para corações sensíveis – não fosse este baseado num livro de Stephen King. Lançado pela primeira vez em 1986, o romance tem despoletado horrores e tremores frios a quem o lê desde então.

 

A culpa é de It, um ser que aterroriza quem persegue e que tem predileção por crianças. Para conseguir atraí-las, prefere mostrar-se como palhaço.

 

Se o livro já tem ar de ser assustador, o filme não lhe fica atrás. Só o trailer nos mostra que não vai ser um filme fácil de digerir, e estou pronta para receber lá para setembro.

 

 

Battle of Sexes

 

 

 

Há quem diga que tem tudo para ser a terceira nomeação para um Óscar da Academia para Emma Stone, e quem sabe uma segunda para Steve Carell. E não apenas pelas transformações físicas que os deixam ligeriamente irreconhecíveis.

 

A culpa está nos papéis que interpretam: ela a jogadora de ténis Billie Jean King, ele o também tenista Bobby Riggs. O filme, baseado numa história verídica, conta a história do confronto entre os dois tenistas, depois de Riggs demonstrar por várias vezes a inferioridade de King só pelo facto de ser uma mulher.

 

Escusado será dizer que, no mundo em que vivemos, é importante que este tipo de histórias seja reconhecido e aclamado; não é todos os dias que uma mulher mostra o seu valor no desporto, e pode ver a sua história partilhada para milhões de pessoas. Se queremos mesmo mostrar como o mundo pode ser igual, são estes os destaques que devemos fazer.

 

 

Kingsman: The Golden Circle

 

 

A tão esperada sequela de Kingsman: Serviços Secretos (2014) chega finalmente em setembro! Foram três de espera mas, a ver pelo trailer, serão compensados.

 

Eu sou fã confessa do primeiro Kingsman, por várias razões. Adorei o toque de comédia num filme de espiões, e as interpretações de todos os atores – sobretudo de Samuel L. Jackson e do estreante Taron Egerton.

 

Agora, é a vez da equipa se juntar a uma agência norte-americana para combater um novo inimigo. A ver pelo trailer continuamos a ter ação e comédia, e personagens com um toque único e muito chamativo. Cá estarei em setembro para os receber!

 

 

Blade Runner 2049

 

 

 

Muitos pediram, e muitos esperam desde 1982 para que Blade Runner tenha o seu regresso ao Cinema. As preces foram ouvidas: lá para outubro chega Blade Runner 2049, 30 anos depois do primeiro filme e com um novo agente no ativo.

 

Calhou a Ryan Gosling a bomboca de interpretar K, um agente que descobre um segredo que pode deixar a sociedade no caos. À procura de uma solução, parte em busca de um agente que está desaparecido há 30 anos. Sim, adivinharam: Harrison Ford está de volta!

 

Depois de ter ficado de coração partido com o que aconteceu em Star Wars: O Despertar da Força, é bom que este regresso de Ford não desiluda. Por favor!

 

 

The Mountain Between Us

 

 

 

É o típico filme de tragédia e sobrevivência humanas: dois estranhos dentro de um avião sobrevivem à sua queda, e têm de se apoiar um ao outro para sobreviver. O que torna tudo mais interessante é que são totalmente estranhos, e não sabem anda um sobre o outro.

 

Não conhecia este filme até começar a fazer esta lista. Nem sequer conhecia a história ou tinha visto o trailer quando o pus o seu nome da shortlist que escolhi para publicar, de entre os vários que encontrei. Mesmo assim, ter visto que tinha Kate Winslet e Idris Elba dos principais papéis fez-me ficar muito curiosa.

 

Sou fã confessa de ambos os atores, e acredito que isso seja meio caminho andado para o sucesso. Eu sei, esta crença já me desiludiu no passado (ainda se lembram de A Luz Entre Oceanos?). Porém, nada como experimentar de novo para ter a certeza.

 

Só me resta esperar.

 

 

Liga da Justiça

 

 

 

Ei-lo: depois de surpreender no campo dos filmes de super-heróis ao estrear um filem apenas sobre os vilões, a DC volta a apostar forte na Liga da Justiça, que deve chegar em novembro.

 

Para os que não estão familiarizados com a banda desenhada, a Liga da Justiça é como Os Vingadores, mas com os heróis DC. Surgiu algures nos anos 60, quando uma ameaça global fez com que os mais fortes super-heróis se juntassem para a derrotar. A formação que vamos ver no filme não é muito diferente daquela que inaugurou a liga na BD: Batman (Ben Affleck), Mulher Maravilha (Gal Gadot), Aquaman (Jason Mamoa), Flash (Ezra Miller) e Ciborgue (Ray Fisher). É possível que, com o tempo, outros nomes se juntem – sobretudo o de um certo Homem de Aço que teve um fim misterioso da última vez que o vimos.

 

A DC tem muito a provar com este Liga da Justiça. Os reboots de Super-Homem e o confronto com o homem morcego, bem como Esquadrão Suicida, não foram bem recebidos pelo público. A pressão do universo Marvel, e a tentativa de entrar por ângulos de história mais negros pode ter funcionado para alguns (eu até gostei de alguns deles), mas não todos.

 

Com Mulher Maravilha, que tem quebrado recordes de bilheteira desde que estreou, parece ter mudado a sorte. Eu gostava que este Liga da Justiça seguisse este sucesso, porque prefiro claramente a #TeamDC.

 

 

Star Wars: O Último Jedi

 

 

 

Eu acho que basta pôr aqui este trailer para perceber porque é que tem de estar nesta lista. Estamos a falar do novo episódio de Star Wars, talvez aquele em que finalmente vamos perceber o que é que aconteceu a Luke durante todo este tempo – e voltaremos a ser agraciados pela presença de Carrie Fisher.

 

Não, não tenho nada a dizer, a não ser que quero muito ver isto. Eu fui uma das que defendeu fervorosamente O Despertar da Força, mesmo quando muitos diziam que não passava de um Episódio IV moderno. Aliás, parte da minha paixão vem disso mesmo.

 

É claro que quero saber como continua! Eu nunca tive a oportunidade de saber a sensação de descobrir quem era o pai do Luke, e espero mesmo que esta nova trilogia tenha uma revelaçãoo dessas para finalmente poder vivê-la.

 

Este novo filme tem a novidade de ser realizado por Rian Johnson, e não J.J. Abrams. Tenho pena que Abrams não regresse, mas quero ver o que Johnson (que já realizou Looper – Reflexo Assassino e Os Irmãos Bloom) pode trazer à história.

 

Chega dezembroooo!

 

 

Um Ritmo Perfeito 3

 

 

 

As Bellas estão de volta!

 

Pitch Perfect foi uma das surpresas mais agradáveis que tive nos últimos anos. Em 2012 estreava o primeiro filme, com uma premissa simples e até juvenil: um grupo de universitárias faz tudo para melhorar o grupo de canto acapela feminino da faculdade. Elas discutiam, cantavam, e percebiam que a amizade era o melhor de tudo – e eu adorava cada minuto!

 

Até agora, cada um dos filmes, se bem que simples e puramente perfeito para entretenimento, tem sido uma ótima construção entre musical e comédia. É moderno, feel good e muito, mas muito divertido.

 

Não espero menos desta terceira parte, que em muito veio depois do pedido dos fãs. As Bellas estão todas de regresso, agora para participar num concurso internacional e que esperam que as leve de volta para a ribalta.

 

Por mim, já lá estão!

 

E que dizer de Mother, o novo filme de Darren Aronofski com Jennifer Lawrence e Javier Barden? Ainda pouco se sabe sobre o filme, mas só esta equipa e o poster fazem-me ficar com água na boca!