Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

As aventuras e desventuras de uma miúda que se alimenta de histórias cinematográficas.

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

O trailer de Jurassic World: Fallen Kingdom, e o ciclo da vida

Um título estranho, certo? É estranho falar do ciclo da vida como mote para dissecar o primeiro trailer de Jurassic World: Fallen Kingdom, a sequela de O Mundo Jurássico que nos fez acreditar novamente em dinossauros. Mas eu prometo que faz sentido.

 

Porque se já assistiram ao trailer, sabem que tudo o que vai importar neste novo filme é salvar os dinossauros. Claire Dearing (Bryce Dallas Howard) e Owen Grady (Chris Pratt) regressam ao parque temático quarto anos depois, com o objetivo de resgatar os dinossauros sobreviventes de uma eminente erupção do vulcão da Ilha Niblar.

 

 

Outra coisa estranha, não é? Se todos tiveram de sair da ilha porque os dinossauros andavam à solta e eram perigosos, agora vamos voltar para os salvar e começar tudo novamente?

 

Porque não?

 

Além da estranheza que dá mote ao filme, o bom deste trailer é que nos mostra já que podemos aguardar muita aventura, ação e animais em debandada. Além disso, tem o regresso de Jeff Goldblum no papel de Ian Malcolm, o que só pode augurar coisas boas.

 

Este tipo de comebacks, como aconteceu em Star Wars, é bem sucessido porque não esquece o que etá para trás. O Mundo Jurássico foi como uma celebração de tudo o que foi  criado anteriormente, desde o espírito à forma como  os atores se relacionam com os dinossauros.

 

Este Fallen Kingdom não parece ficar para trás. Novamente com o objetivo de salvar a memória do passado, regressamos à Ilha de Nublar, cheia de riscos e aventuras, porque acreditamos que estamos a fazer o mais correto.

 

O espírto de Parque Jurássico sempre foi muito esse: um filme cheio de aventuras, cujo objetivo, no fundo, era preservar a memórias dos dinossauros. Um espírito que tem sido muito bem desenvolvido nas novas sequelas.

 

É aí que entra o ciclo da vida.

 

Este vai ser o quinto filme sobre o Parque Jurássico. É o quinto filme sobre o conceito, e sobre até algumas das ideias e personagens que ficámos a conhecer nos primeiros filmes.

 

É natural que os acontecimentos se repitam, ou pelo menos que a linha de pensamento se mantenha.

 

Se virmos bem, Fallen Kingdom é quase  um pouco aquilo que aconteceu em Parque Jurássico II: uma ameaça externa está a pôr os dinossauros sobreviventes em risco. É formada uma equipa para tentar resgatar aqueles que conseguirem, e impedir que sejam novamente extintos.

 

Por um lado, parece que é apenas mais uma forma de fazer dinheiro, pegando num conceito que já foi feito. Por outro, segue naturalmente a linha de pensamento de um filme, e trata desta nova onda jurássica como um seguimento que não está diretamente relacionado com os primeiros.

 

O paralelismo que existe entre esta segunda saga e a primeira não me faz confusão. Aliás, acho que faz sentido.

 

Como disse em cima, o que de bom estes Mundo Jurássico e novo Stars Wars têm em comum é que bebem muito do original, sem perder a novidade. Não é um remake, nem um reboot; é um seguimento dos primeiros filmes, sem nos esquecermos que são um revitalizar daquilo que já existiu.

 

Gostei muito da forma como esta sequela foi apresentada, se bem que com algumas ressalvas (a sério que foram construir um parque temático numa ilha com um vulcão ativo?). Porém, tenho fé e esperança que nos continue a transportar para o mundo de fantasia que conhecemos, da mesma forma que o seu antecessor o conseguiu.

 

Por agora, teremos de aguardar. Fallen Kingdom tem estreia marcada junho de 2018. Além do protagonistas e do regresso de Jeff Goldblum, B.D. Wong vai regressar ao papel de Henry Wu e outros atores se juntam ao filme.

2 comentários

Comentar post