Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

As aventuras e desventuras de uma miúda que se alimenta de histórias cinematográficas.

Fui ao Cinema... E não comi pipocas!

Banda sonora de uma vida III - O amor de John Williams

Sou fã de boas bandas sonoras originais. Para os momentos mais calmos e relaxados, sabe bem juntar a melodia de um instrumental com as cena dos filmes preferidos; pegar nas notas do coração e dar-lhe vida com as personagens e cenários que temos na nossa cabeça.

 

E se bem que há mais do que um a chegar à alma, há um que toca no coração: John Williams.

 

Sir Williams é mestre em conceder melodias intemporais a cenas icónicas. Mais do que isso, dá atmosfera, calor e magia a qualquer uma das histórias em que pega. Com a sua construção, uma simples cena de refeitório numa escola passa a ser alegre, cheia de vida e encanto - e as pessoas nem precisam de fazer nada.

 

Não é por acaso que tem cerca de 50 nomeações para os Óscares da Academia, a última delas para o mais recente Star Wars: O Despertar da Força. Mais do que isso, é graças a ele que poucos segundos de notas musicais são reconhecidos como parte de Star Wars, Indiana Jones, Harry Potter, Super Homem…

 

E se todas elas me tocam como poucas (por favor, tudo o que tenha Harry Potter merece a minha ovação), há uma que mexe comigo: o tema de Encontros Imediatos de Terceiro Grau.

Lançado em 1977, realizado por Steven Spielberg e protagonizado por um jovem Richard Dreyfuss, é um filme sobre a forma como comunicamos. Envolve extraterrestres e encontros com OVNI’s, mas há outro encanto: é através da música que comunicam.

 

Da música. Através de notas musicais, tocadas num piano gigante, mostram como uma espécie desconhecida consegue mostrar-se amigável e em paz. É o poder da música, saído da direção de John Williams diretamente para a alma de quem tem o prazer de o ouvir. Cinco pequenas notas são reconhecidas como esse apelo amigável.

 

Cinco pequenas notas são amor e amizade. E cinco pequenas notas são o suficiente para John Williams nos deixar obras-primas.